Então chega um dia em que em uma consulta você descobre que seus olhos precisam de uma atenção especial, ou melhor, uma correção, e sua jornada ganha um acessório que se torna indispensável: os óculos.

Tudo bem, há a opção de lentes e em alguns últimos casos até de cirurgia, mas os óculos continuam sendo a melhor e mais comum opção para correção visual.

Em 27 de maio de 2003 descobri que tinha dois problemas: astigmatismo e miopia.

O astigmatismo faz com que tenhamos uma visão imperfeita, tanto para perto como para longe. Não se tem a percepção nítida dos contrastes entre as linhas horizontais, verticais e oblíquas. É normalmente a curvatura da córnea que está alterada, com uma forma mais ovalada que redonda. Costumamos confundir os símbolos próximos, como o H, o M e o N ou até números semelhantes. Simplificando, é aquela visão borrada, desfocada.

Já o míope vê mal de longe, mas enxerga bem de perto. Alguns sinais bem perceptíveis da miopia são não reconhecer nitidamente um amigo do outro lado da rua ou franzir a testa para conseguir enxergar algo mais ao longe que alguém próximo à você enxerga.

 Então, no dia 28 de maio de 2013 comecei a utilizar meu acessório novo:

Meus Primeiros Óculos

Não há nada de romântico como eu imaginava em fazer uso obrigatório de óculos. Os primeiros dias são os piores: tonturas, náuseas e sensação de “pisar fundo” lhe acompanham. Depois, como tudo, a gente acostuma e até esquece de tirá-los na hora do banho ou para dormir, mas os inconvenientes lhe perseguem: limpeza diária e nada de andar na chuva com eles, ainda não inventaram nenhum com “limpador automático”.

Se puder deixar uma dica para os “novatos” no uso de óculos é de que prefiram as armações e lentes mais leves possíveis. Não necessariamente as que escolhi, mas quanto mais leve, mais fácil a adaptação e no quesito armação, quanto mais discreta menor a sensação de “envelhecimento” por parte de quem nos vê. Claro que gosto é gosto e há milhares de opções para agradar a todos.

Com o passar do tempo, nova consulta, novo grau e novos óculos. Em 02 de outubro de 2008  o modelinho escolhido foi este:

Segundo óculos

Nesta altura o “sem armação” já não me agradava mais e eu estava numa fase de gostar muito da cor lilás. Ainda assim optei por algo discreto e leve. Poderia ter economizado utilizando a mesma armação e somente mudado as lentes, mas já eram outros tempos e resolvei renovar tudo.

E já estamos em 2013, novo grau, nova receita, novos óculos em 23 de julho:

Meu Terceiro Óculos

Agora minha principal opção é por lentes TRANSITIONS® que se adaptam de forma contínua às mudanças de luminosidade, adquirindo a tonalidade exata para cada situação rapidamente, tornando-se incolores em ambientes internos e totalmente escuras sob a luz do sol e ainda bloqueiam 100% dos raios UVA & UVB.

Esta opção surgiu pela obrigatoriedade imposta pela minha Carteira Nacional de Habilitação, já que no último exame não consegui enxergar as letrinhas adequadamente e aquela observação ingrata está lá: “Uso Obrigatório de Lentes Corretivas”.

Com estas lentes posso utilizar meu óculos também como “óculos de sol” e assim poupo não tendo que adquirir dois ao invés de um, além da praticidade de não precisar ficar trocando um pelo outro.

Claro que estas lentes são mais caras que as comuns, mas há coisas que não podem ser consideras despesa e sim, investimento.

Como acabei de buscá-lo, vou entrar novamente para aquela fase de tonturas, náuseas e sensação de “pisar fundo” dos primeiros dias, mas desta vez acredito que o desconforto será menor, pois o grau não diferenciou muito.

Quero deixar aqui a dica para quem é da minha cidade (Guaramirim, SC) ou região: a Relojoaria e Ótica Adolar, com ótimos produtos, atendimento qualificado e ótima negociação. Este meu último óculos foi adquirido com eles e assim como eu, com certeza você vai encontrar o que procura e retornar sempre.

Boa visão para você!

Anúncios