Arquivo de Tag | Irmã Eva Michalak

Túnel do Tempo – I

tuneldotempo

Já em várias postagens falei sobre minha tia-avó, Irmã Eva. Apresentei um pequeno histórico de sua vida e seu primeiro livro, posteriormente seu segundo livro, além de outras menções.

Desde criança sempre gostei de guardar as lembranças. Fazia pastas e antes mesmo de me formar em datilografia organizava cartas, cartões, fotos e recortes de jornais e revistas anotando alguns dados e datas e arquivando.

Um dia desses me pego folheando estas pastas antigas e encontro duas preciosidades: cartões enviados à mim e minha família por minha tia:

Foi como entrar em um Túnel do Tempo. Eu escrevia cartas e ela respondia sempre que possível. As visitas eram raras, dado seu trabalho com o cultivo de plantas medicinais e o atendimento ao grande público que lhe procurava, então estes contatos eram preciosos.

Quando criança ela me presenteava com os cartões postais que recebia e eram dezenas. Após ler cada um, fazia um pacote e enviava por algum conhecido, além de roupas e plantas que distribuía entre a família.

Nestes cartões vê-se a preocupação quando sofri um acidente e fraturei a perna direita em 1997 e quando do falecimento de minha avó materna, sua irmã, em 1998.

Impossível não se emocionar e agradecer por ser sobrinha-neta desta pessoa que plantou muitas ervas na terra e muitas boas sementes na vida das pessoas.

Em postagem anterior postei sobre o Projeto de Lei para criação do Dia da Fitoterapia, a lei entrou em vigor em 17 de julho de 2013:

dia-fitoterapia

Também em 2003, um Selo Postal foi criado. Uma grande homenagem:

selo-irma-eva

Em 29 de novembro de 2004, foi inaugurado o Horto Irmã Eva Michalak, em Rodeio, SC, preservando e dando continuidade ao trabalho de toda uma vida:

horto

Já homenageada pelas companheiras de congregação, pelos admiradores de seu trabalho, pelo estado de Santa Catarina e aqui, humildemente, homenageada por mim na data em que se completam 105 anos de seu nascimento.

Mesmo tendo nos deixado há 10 anos, seu legado ficará para sempre!

Irmã Eva

Se você quiser usufruir um pouco desta sabedoria, o livro O Éden de Eva está disponível para baixar em formato *.pdf. Fica aqui o agradecimento à EPAGRI de Santa Catarina por disponibilizá-lo gratuitamente a todos.

Obrigada, tia!

Obs.: Tutorial para baixar o livro aqui.

Irmã Eva Michalak, Orgulhosamente, Minha Tia

Irmã Eva Michalak

Esta minha tia fez história com muita humildade e dedicação às plantas.

“Irmã Eva Michalak nasceu no dia 12 de julho de 1912, em Massarandubinha, município de Massaranduba – SC. Era filha de Ladislau Michalak (natural da Polônia) e de Anna Otembreit Michalak (da Galícia, na Áustria). O avô materno era da Alemanha.

Muito cedo, aos 15 anos,  perdeu o pai. Em junho de 1929, com 17 anos de idade, ingressou na então Companhia das Irmãs Catequistas Franciscanas, em Rodeio – SC. No dia 14 de janeiro de 1931 foi admitida à profissão religiosa.

Como irmã, começou a dar aulas na Escola Isolada de Travessão do Tigre. Naquele tempo, o lugar pertencia a Blumenau; hoje pertence a Benedito Novo. Ali permaneceu durante dez anos. Em 1941 trabalhou em Campinas – Massaranduba. Em 1942 e 1943 em Rio Waldrich. A transferência seguinte foi para Guaricanas II, município de Ascurra – SC, (1944 a 1950). De 1951 a 1953 esteve em Rodeio e, no ano seguinte, em Rio Morto. Retornou a Guaricanas por dois anos (1954 e 1955).

Durante todos estes anos dedicou-se ao Magistério Público Estadual, como professora, sendo uma competente e sábia mestra. Foi fiel em passar ao povo seus conhecimentos sobre plantas medicinais e saúde popular.

Em 1957, passou a residir na Casa Mãe, em Rodeio, local onde nasceu a Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas. Durante 50 anos, em Rodeio, dedicou-se ao cultivo de plantas ornamentais, frutíferas e, sobretudo, medicinais.

Mulher inteligente, desde cedo foi muito aplicada e estudiosa. Na falta de cursos especializados para atender às qualidades e tendências pessoais, buscou com grande esmero e persistência, em diferentes espaços, fontes diversas de pesquisa: livros, jornais, revistas, informações dadas por rádio e TV, conversas com pessoas competentes… Os resultados todas e todos admiramos: um grande acervo de informações populares e científicas que conseguiu acumular ao longo dos anos.

Transformou-se em autodidata e pesquisadora insaciável. Acima de tudo, foi defensora da vida, apaixonada pelas plantas, carinhosa com a mãe terra e generosa em passar adiante suas descobertas a todos os que a consultavam, entre eles médicos e estudantes de medicina. Não guardou nada para si, mas ofereceu seu vasto saber em benefício da saúde do povo. Quem conheceu Irmã Eva Michalack no seu dia-a-dia, sabe da ternura, do carinho e amor que dedicava ao seu trabalho. Viveu em profunda comunhão com a natureza e ali encontrou espaço, ao longo de 50 anos, para concretizar sua comunhão com o Deus Criador.

Irmã Eva nos deixa uma grande lição: a Natureza, criada por Deus para benefício da pessoa humana, deve ser respeitada e amada e nossa alimentação deve voltar à simplicidade de outros tempos, se queremos que a VIDA, grande dom de Deus, continue em nosso planeta Terra.”

Texto escrito pelas Irmãs: Ede Maria Valandro e Tereza Costa

Faleceu em 31 de maio de 2007, aos 94 anos, tendo passado poucos dias de sua vida sem estar de pé, cumprindo sua linda missão e caminhando descalça entre as plantas.

Como minha tia, convivi pouco. Nas raras visitas que fazia à família ela sempre se preocupava em ensinar algo.

Me presenteou com muitos cartões postais que recebia de várias partes do Brasil e eu colecionava quando criança, ainda os tenho em um arquivo antigo. Nunca deixava de proclamar a palavra de Deus e apesar da imensa dificuldade com a audição, era durante todo tempo uma “águia observadora” de novas plantas, esforçando-se para passar seu conhecimento da forma mais completa possível.

Em 1997, pela Editora Cinco Continentes,  lançou um livro sobre ervas medicinais que eu tive o privilégio de receber autografado:

Apontamentos Fitoterápicos de Irmã Eva Michalak

Apontamento Fitoterápicos de Irmã Eva Michalak

Em 14 de junho de 2012, ano do centenário de seu nascimento, o Deputado Estadual Darci de Matos apresentou Projeto de Lei instituindo o dia 12 de julho como o Dia da Fitoterapia em Santa Catarina:

_____

PROJETO DE LEI 214.2/12

 Institui o Dia da Fitoterapia, no Estado de Santa Catarina.

 Art. 1° Fica instituído no Calendário Oficial do Estado de Santa Catarina o “Dia da Fitoterapia”, a ser comemorado, anualmente, no dia 12 de julho.

 Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

  Deputado Darci de Matos

______ 

JUSTIFICATIVA

 

          Este Projeto de Lei visa instituir o Dia da Fitoterapia no Estado de Santa Catarina, a ser comemorado, anualmente, no dia 12 de julho.

          Conceitua-se a Fitoterapia como sendo um método de tratamento caracterizado pela utilização de plantas medicinais, em suas diferentes preparações, sem a utilização de substâncias ativas isoladas.

          A data escolhida, 12 julho, é uma justa homenagem à Irmã Eva Michalak, nascida no dia 12 de julho de 1912, em Massarandubinha, município de Massaranduba, Santa Catarina.

           Irmã Eva pertencia à atual Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas, tendo ingressado na então Companhia das Irmãs Catequistas Franciscanas, em Rodeio, SC, em junho de 1929, com 17 anos de idade, sendo que no dia 14 de janeiro de 1931, foi admitida à profissão religiosa.

          Como irmã dedicou-se inicialmente ao Magistério Público Estadual, como professora, em diversas localidades do Vale do Itajaí.

           Em 1957, passou a residir na Casa Mãe, em Rodeio. Faleceu no dia 31 de maio de 2007, aos 94 anos de idade.  Durante 50 anos, em Rodeio, dedicou-se ao cultivo de plantas ornamentais, frutíferas e, sobretudo, medicinais. Cuidava diariamente de mais de 200 plantas medicinais e 74 árvores frutíferas plantadas próximas ao convento.  

           Mulher inteligente, desde cedo foi muito aplicada e estudiosa. Na falta de cursos especializados para atender às qualidades e tendências pessoais, buscou com grande esmero e persistência, em diferentes espaços, fontes diversas de pesquisa: livros, jornais, revistas, informações dadas por rádio e TV, conversas com pessoas competentes, tendo como resultado um grande acervo de informações populares e científicas que conseguiu acumular ao longo dos anos.

           Transformou-se em autodidata e pesquisadora incansável. Acima de tudo, foi defensora da vida, apaixonada pelas plantas, carinhosa com a mãe terra e generosa em passar adiante suas descobertas a todos que a consultavam, entre eles médicos e estudantes de medicina. Não guardou nada para si, mas ofereceu seu vasto saber em benefício da saúde do povo. Quem conheceu Irmã Eva Michalack no seu dia-a-dia, sabe da ternura, do carinho e amor que dedicava ao seu trabalho. Viveu em profunda comunhão com a natureza e ali encontrou espaço, ao longo de 50 anos, para concretizar sua comunhão com o Deus Criador.

          Seu conhecimento chamou a atenção da Epagri – empresa governamental catarinense que cuida de pesquisa e extensão agropecuária, que publicou um livro com um pouco do conhecimento acumulado pela irmã Eva, com o título: Livro de Apontamentos Fitoterápicos de Irmã Eva Michalak, Editora 5 Continentes.

          Para os nossos dias, em que a depredação e destruição da natureza são feitas sem consideração e sem medida, em que a alimentação humana se torna causa de doenças sérias e de outros prejuízos para uma vida saudável, irmã Eva nos deixa uma grande lição: a Natureza, criada por Deus pra benefício da pessoa humana, deve ser respeitada e amada e nossa alimentação deve voltar à simplicidade de outros tempos, se queremos que a VIDA, grande dom de Deus, continue em nosso planeta Terra.

          Face a importância da FITOTERAPIA para a saúde humana e a justa e merecida homenagem póstuma àquela maravilhosa religiosa que dedicou a maior parte de sua vida à descoberta dos benefícios de cada planta para a cura e a prevenção de doenças,   espero contar com o apoio dos nobres colegas para a aprovação da presente proposição.

 Deputado Darci de Matos

_____

Há vários matérias jornalísticas realizadas pela Rede Globo e também pela EPAGRI de Santa Catarina, que, em virtude dos direitos autorais, não poderei divulgar aqui, mas fica a reportagem da TV Cultura datada de 24 de dezembro de 2006 onde é possível ver o imenso prazer em cultivar e toda simplicidade com que viveu:

Esta postagem é uma homenagem, repleta de agradecimento e saudade desta grande mulher, orgulhosamente, minha tia.

¤

Fontes:
 
1. Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas – www.cicaf.org.br;   
2. TV Cultura – Repórter Eco –  www2.tvcultura.com.br/reportereco/matéria.asp?marteriaid=526
 

*****

Não tenho este livro à venda, a última edição da qual tive conhecimento foi de 2004. Caso haja interesse, entrem em contato no site da EPAGRI de Santa Catarina.

*****